sábado, 21 de novembro de 2009

Sóbrio Tormento

Eu evoluo a cada caminho displicente.
Sangro e corro,
Não menos que mais um amar de minha alma,
Não mais que meu menor sorriso.
E quanto mais impossível, mais amo,
Quanto mais distante, mais desejo.
Fugindo de mim o sopro que me aquece,
Deixando de suprir meu sensível lamento.
Ousados os pensamentos que me apetecem,
Sempre imaginando como seriam os seus beijos.
Sábio homem honrado,
O que faremos a respeito?
Sublinhar e distorcer uma história, ou para sempre negar este desejo?

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Epitáfio

E ele se foi, subindo aos céus.
A Terra perde mais um anjo.
02 de novembro de 2009,
Ednílson Pissollatto da Silva.
Ocorreu um erro neste gadget